Escola do Professor

Queridos professores e professoras,

“Há uma relação entre a alegria necessária à atividade educativa e a esperança (...) a esperança não é algo que a ela se justaponha. A esperança faz parte da natureza humana.(...)

Por tudo isso me parece uma enorme contradição que uma pessoa progressista, que não teme a novidade, que se sente mal com as injustiças, que se ofende com as discriminações, que se bate pela decência, que luta contra a impunidade, que recusa o fatalismo cínico e imobilizante, não seja criticamente esperançosa.”*

O atual momento ainda é de incertezas e nos leva à desesperança, mas Paulo Freire vem, com suas sábias palavras, nos encorajar a resistir e a lutar. E foi pensando desta forma que construímos o Guia do Professor do 2º semestre de 2017.

A Palavra do Mestre homenageia Antonio Candido, socialista convicto, que, como Paulo Freire, luta pela igualdade com a esperança de dias melhores. Portanto, o Guia foi preparado com a intenção de atualizar, trazer novos conhecimentos para a prática pedagógica e reflexões sobre os atuais movimentos sociais que ocorrem no Brasil e no Mundo.

A Escola do Professor, em parceria com o Fórum Permanente de Educação Infantil, participa, apoia e discute a importância da primeira infância e seus benefícios, a valorização e as condições de trabalho do(a) professor(a); com a Finaflor/Gitaka Unirio, fortalece as discussões e abre caminho para novos saberes pedagógicos. A formação da Transpsicomotricidade oferece a oportunidade de buscar e ampliar reflexões sobre a prática psicomotora, através do pensamento complexo, expandindo seu olhar a partir da arte do corpo em potência. No mês de agosto, promovemos o debate “Professores contra o projeto Escola sem partido”, projeto de lei que ameaça a educação escolar e criminaliza a prática docente, não permitindo a liberdade de pensamento crítico e a formação cidadã dos educandos. O seminário “Disciplina, limites, enquadre: quais os caminhos para a construção da ética humana?” visa debater os caminhos para a construção do limite na sala de aula e do senso de coletividade dentro das escolas. No ano em que comemoramos os 100 anos da Revolução Russa, a Escola do Professor volta o olhar para as bandeiras de lutas feministas que foram exemplos de liderança na sociedade. A partir desse contexto, iremos promover um debate, no mês de outubro, sobre a luta emancipatória das mulheres e a igualdade entre os sexos, nos últimos 100 anos, no Brasil. Ainda neste mês, comemorando o dia do(a) professor(a), teremos uma programação especial com teatro, cinema e Café Literário – “O cantar poético de Mario Quintana”.

Cursos, oficinas e palestra também fazem parte da nossa programação, sempre com o intuito de atender ainda mais os nossos educadores. Inglês, francês, espanhol, italiano e alemão estão no guia de cursos de línguas, que buscam o enriquecimento dos participantes em relação aos diferentes idiomas.

O SindTour oferece momentos históricos e culturais com muita diversão e lazer! Começamos com um passeio, no Rio de Janeiro, ao Museu Casa do Pontal e ao Sítio Burle Marx. Para curtir um friozinho e um café colonial, nada melhor que Campos de Jordão. Internacionalmente, programamos uma viagem a Cuba, com seus prédios históricos de estilo Art déco, praias mansas e seu povo alegre e receptivo e outra à Colômbia, para conhecer Bogotá e Cartagena.

“(...) O mundo não é. O mundo está sendo. Como subjetividade curiosa, inteligente, interferidora na objetividade com que dialeticamente me relaciono, meu papel no mundo não é só o de quem constata o que ocorre, mas também o de quem intervém como sujeito de ocorrências”.*

A Diretoria
*FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo, Paz e Terra, 1996, págs 80, 81 e 85